Dólar inicia o mês de dezembro caindo, chegando ao valor de R$ 5,25

Dólar inicia o mês de dezembro caindo, chegando ao valor de R$ 5,25

Moeda americana encerrou a R$ 5,34 nesta segunda-feira e juntou-se a queda de 6,80% de novembro.

O dólar opera em queda nesta terça-feira 01/12/2020, depois de registrar queda de quase 6/7% em novembro, seguindo o exterior, com a ligação internacional sendo conservado por dados volumosos da China e perspectiva em torno de vacinas contra o corona vírus.

Hoje a tarde, a moeda norte-americana caía 1,80%, cotada a R$ 5,26.

Nesta segunda-feira, o dólar finalizou em alta de 0,39%, a R$ 5,33. Em novembro, porém, juntou baixa de 6,80%, a maior baixa dos meses, desde outubro de 2018. No ano, o progresso ainda é de 33%.

O Banco Central formará neste pregão leilão de troca tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com expiração em abril e agosto de 2021, destacados em pesquisas.

Variações do dólar em 2020

1.Cenário local e externo

No exterior, os comércios lidam positivamente as novas notícias sobre avanços nas vacinas para imunizar o corona vírus. Nesta terça, as farmácias Pfizer e Moderna solicitaram autorização para fazerem o uso de suas vacinas na grande Europa.

A Ordenação para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico analisou nesta terça um relatório que as expectativas para a economia global estão progredindo apesar de uma segunda onda de surto de corona vírus em muitos países, de acordo com o surgimento das vacinas e uma recuperação liderada pela China se instala. De acordo com as novos arremessos das corporações, a economia global deve encolher 4% este ano, crescer 4% no próximo ano e retardar a 3% em 2022.

As atividades dos setores industriais da China ampliaram seu ritmo mais rápido em uma década em novembro, mostrou nesta segunda uma pesquisa empresarial.

Por aqui no Brasil, a Índice de Confiança Empresarial regrediu em novembro pelo segundo mês seguido. Já o IBGE sinalizou que o Brasil finalizou outubro com um destacamento de 13 milhões de desempregados, cerca de 3 milhões a mais que o apontado no mês maio. Com isso, a taxa de desemprego marcou nova máxima na pandemia, de 14%.

Do lado mais medular, o foco dos mercados segue voltado para a sustentabilidade fiscal do Brasil e as dúvidas sobre a aprovação de medidas de ajuste fiscal para assegurar a saúde das contas públicas. Na véspera, o Banco Central comunicou que a déficit público aumentou para o patamar de 90% do PIB em outubro.

“Brasília volta à positivo depois do segundo turno das eleições municipais ainda sem formação nas propostas que lidam com as questões fiscais”, informou a pesquisa de Investimentos em nota.

O principal medo dos mercados, por ora, é de que o governo rasgue seu teto de gastos no ano que vem diante de um Orçamento estreito, medo que vem acompanhado de decepção com os atrasos na agenda de reformas estruturais.

Camaleão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *