Eleições 2020: avalie os projetos dos candidatos para promover empregos em SP

Eleições 2020: avalie os projetos dos candidatos para promover empregos em SP

Fizemos um resumo dos projetos relacionados a empregos, dos quatro primeiros candidatos citados nas intenções de voto para prefeito de São Paulo, segundo pesquisas.

Com a aproximação do primeiro turno das Eleições 2020, agendado para o próximo dia 15 de novembro, vários eleitores ainda seguem em dúvida sobre quem vai ser o seu candidato preferido no dia da votação. Um dos temas que mais assolam os paulistanos é a criação de empregos e renda, duramente afetada pela pandemia neste ano. Pensando nisso, o Mídia Camaleão fez um resumo dos projetos relacionados a empregabilidade apresentados pelos candidatos a prefeito de São Paulo.  

Para aprimorar o resultado, separamos as propostas dos quatro primeiros candidatos citados nas intenções de voto da mais recente pesquisa do Datafolha, publicada nesta quinta-feira, dia 5, sobre o trajeto eleitoral da cidade de São Paulo. E de acordo com o levantamento, o atual prefeito da capital, Bruno Covas do PSDB, se distanciou na dianteira com 29% das intenções de voto, seguido pelos candidatos Celso Russomano do partido Republicanos com 17%, e Guilherme Boulos do partido PSOL com 15% e o ex-governador de São Paulo Márcio França do PSB com 14%.

Bruno Covas presume mais de 50 mil empregos imediato

Utilizando a porcentagem nas intenções de voto da pesquisa do Datafolha para denominar os candidatos, iniciamos por Bruno Covas, que a partir do novo programa habitacional, quer estimular o mercado de trabalho e ajudar a recuperar a economia no pós-pandemia, com geração de mais de 50 mil empregos imediatos. Além disso, o candidato prevê investimentos em infraestrutura para repartir e intensificar o desenvolvimento local, reduzindo as desigualdades entre o centro e as periferias e colaborando com a recuperação da economia no pós-pandemia.

O atual prefeito de São Paulo também está projetando a implantação de distritos criativos, voltados à economia criativa e à juventude, além de criar zonas de flexibilização tributária para atrair empresas. Com isso, a ideia é expandir a proporção de empregos formais nas cadeias produtivas de economia criativa e em setores de média e alta intensidade tecnológica e de conhecimento.

Celso Russomano propõe-se retomar a economia e conceber novos empregos

Já o candidato Celso Russomano quer inventar o “Auxílio Emergencial Paulistano”, parecido com o do Auxílio Emergencial, que o Governo Federal está pagando para pessoas que perderam seus empregos atualmente. Com o benefício, a projeção é de retomar a economia na cidade e formar novas oportunidades de trabalho.

Além disso, o Celso Russomano quer transformar a capital paulista em um centro de produção de audiovisual, complementando o número de produções de cinema, televisão e outras mídias filmadas em São Paulo. O objetivo é alavancar para cerca de 2 mil produções por ano na cidade até o fim de 2024, o que poderá gerar empregos diretos e indiretos.

Guilherme Boulos deseja implementar novas frentes de trabalho

Guilherme Boulos, aparece em terceiro na pesquisa de intenções de voto do Datafolha, quer instalar frentes de trabalho com contratação de mão de obra direta ou por meio de cooperativas, além de expandir canais de financiamento e crédito para pequenos comerciantes, indústrias e cooperativas da economia solidária.

O candidato do PSOL também fala em apoiar a revisão de postos de trabalho via recuperação de empresas em crise por seus trabalhadores organizados em autogestão e ampliar e revigorar cooperativas de catadoras e catadores de material reciclável.

Entre as propostas de Boulos, a criação do “Programa de Renda Solidária” destina-se garantir que nenhuma família frágil fique sem uma renda-mínima. Outro projeto é possibilitar que, até 2024, todas as famílias em circunstância de pobreza ou extrema pobreza sejam incluídas em um programa municipal de garantia de renda mínima, com benefício de no mínimo R$ 140 reais.

Márcio França quer criar o “Plano Márcio”, influenciado no Plano Marshall

O candidato Márcio França, quer criar o “Plano Márcio”, inspirado no Plano Marshall, programa de ajuda econômica dos Estados Unidos aos países da Europa Ocidental abatidos pela guerra. Na versão do ex-governador paulista, o projeto refere-se a estimular a abertura de 260 mil microempresas na capital de graça e emprestar até R$ 4 mil, com juros zero, sem precisar de avalista; contratar médicos temporários; contratar pessoas por dois dias na semana, seis horas por dia, em serviços de zeladoria;

Márcio ainda presume a criação do programa “Futuro Jovem – emprego”, com objetivo de formação e cidadania de 65 mil jovens entre 16 e 18 anos para desempenhar na prestação de serviços administrativos em todas as áreas da Prefeitura de São Paulo. O candidato também quer incentivar a criação de aplicativo de entregas em acordo entre os sindicatos a fim de ampliar a renda dos entregadores e instituir o “Renda Básica Municipal” para auxiliar conjuntos vulneráveis na cidade.

Camaleão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *